23 de nov de 2010

Headbangers

Pra quem não sabe, Headbanger, ou "batedores de cabeça", numa tradução literal, é um termo utilizado para designar os amantes do gênero musical conhecido como Heavy Metal, por causa do modo como estes costumam curtir as músicas, balançando a cabeça com violência. Amado e odiado por muitos, o certo é que este tipo de música é marcado por uma grande capacidade de atrair as pessoas, seja para louvá-lo, seja para censurá-lo. Para entender um pouco mais sobre este universo cultural, o antropólogo e metaleiro canadense Sam Dunn resolve sair por ai entrevistando várias personalidades do meio ou ligadas a ele. O resultado está no cocumentário Metal - Uma Jornada pelo Mundo do Heavy Metal.

O filme traz entrevistas com grandes nomes como Bruce Dickinson (Iron Maiden), Lemmy Kilmister (Motorhead), Ronnie James Dio e Tonny Iommi (Black Sabbath), considerado por muitos o pai deste gênero musical. O que motiva Dunn é investigar e responder à pergunta: porque o Heavy Metal e seus fãs são tão estereotipados e perseguidos? Para responder a isto, ele aborda temas centrais presentes nas letras e posturas das bandas e músicas, como violência, sexo, religião, drogas, entre outros. Neste sentido, o filme contém muitos méritos, por abordar todas as questões de forma clara e sempre procurando opiniões e informações dentro e fora do mundo metálico. Assim, vamos desde as polêmicas bandas de glam metal e suas fantasias espalhafatosas, até os escândalos envolvendo as bandas de Black Metal da Noruega e as igrejas cristãs locais.

No geral, o cara conseguiu reunir aquelas bandas que de alguma forma fizeram diferença dentro do universo metálico, como Back Sabbath, considerados os pais do gênero, Iron Maiden, a maior banda de metal que já existiu, o Slayer, pela temática satanista, Girlschool, como uma das primeiras bandas só de mulheres, Arch Enemy, como uma das primeiras a ter uma vocalista mulher que usa a técnica de vocal gutural, e assim por diante. No final, o resultado é um documentário bastante variado, que consegue demonstrar como o Heavy Metal é um gênero musical diversificado e eclético, com suas inúmeras subdivisões, e também mostrar sua importância e porque ele é ainda hoje tão amado por jovens e adolescentes do mundo todo, que juntos formam uma grande comunidade.

Como o próprio diretor conclui, o Metal é uma cultura de excluídos, e por isto mesmo ele faz tanto sucesso. Ele possibilita aos seus seguidores a oportunidade de se opor, de se revoltar, de fugir dos padrões, de ser diferente. Talvez seja isto o que há de mais apaixonante em ser metaleiro, e que quem não é nunca entenderá. Os metaleiros se deliciarão por se verem retratados com grande fidelidade nesta obra, e os leigos poderão apreciar um pouco do que se passa na mente de um metaleiro, mesmo que não entendam. Por tudo isto Metal pode ser considerado um filme obrigatório para todos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...