15 de jan de 2012

O Planeta dos Macacos


A evolução das espécies sempre foi teoria controvertida e polêmica, em um mundo cristão como o que vivemos. A maioria ainda prefere se apegar ao texto bíblico e à fábula da criação do homem por deus a partir do barro. Alguns filmes já tentaram explicar a teoria evolucionista e torná-la mais compreensível, mas creio que nenhum o fez de forma tão contundente quanto o clássico "Planeta dos Macacos". Desde 1968 quando o primeiro filme foi lançado, ele elevou a teoria de Darwin a um novo patamar. Ele não traz explicações científicas, nem qualquer alusão direta a estas teorias. O que ele faz é propor uma situação totalmente diferente e impensada até então: e se ao invés dos homens, os macacos tivessem evoluído ao ponto em que chegamos hoje?



Esta é a proposta do filme, e toda a série vai se basear nesta premissa. Neste sentido o primeiro filme da série se tornou um marco dos filmes de ficção científica. No filme, um astronauta estadunidense, Taylor, interpretado por Charlton Heston, viaja anos pelo espaço até tentar retornar à Terra e cair em um planeta desconhecido mas similar ao nosso planeta. A diferença é que neste planeta, a raça dominante é composta por macacos. Chimpanzés, gorilas e orangotangos, que evoluíram, adquiriram fala, inteligência e produziram uma civilização. Ali os humanos não passam de animais, sem inteligência, sem fala, e são caçados, capturados e usados por estes macacos como animais. Uma inversão plausível e totalmente explicável pelas teorias de Darwin. No final nosso viajante descobre que na verdade este planeta é a Terra, anos-luz à frente no tempo. 



No segundo filme, "De Volta ao Planeta dos Macacos", de 1970, uma nova nave cai na Terra, uma nave de busca pelo astronauta desaparecido anos antes, Taylor. A teoria da relatividade do tempo é usada para explicar que o tempo passado no espaço não é o mesmo passado na Terra. Assim, para os astronautas teriam se passado apenas alguns meses no espaço, mas na Terra foram séculos. Assim quando eles retornam, já estão no ano 3955 na Terra. Isso explica as mudanças encontradas por eles, já que a civilização como eles conheciam já havia sido há muito extinta. Neste filme nossos astronautas descobrem o que foi feito dos poucos seres humanos "civilizados" que restaram. Deformados pelos anos expostos à radiação de uma possível guerra nuclear que teria quase extinguido a raça humana e destruido nossa civilização, já não usam mais a fala como meio de comunicação, mas sim a telepatia, e veneram uma bomba atômica como um Deus. 



Estes são os dois filmes que nos mostram a realidade do planeta dos macacos. Os próximos irão se dedicar a explicar e mostrar como nosso planeta se transformou nesta realidade. Em "Fuga do Planeta dos Macacos", filme de 1971, uma espaçonave é encontrada na Terra atual. Ao abri-la, os militares encontram três chimpanzés vestidos de astronautas. Aos poucos eles vão descobrindo que estes chimpanzés não são chimpanzés normais, mas que tem inteligência e fala. Eles teriam vindo do futuro da Terra, após encontrarem a nave de Taylor, consertado-a a colocado-a em funcionamento. Tratam-se do casal Cornelius e Zira, acompanhados pelo Dr. Milo, que morre logo no início do filme. A existência destes macacos inteligentes começa a suscitar dúvidas sobre a sobrevivência de nossa espécie, já que no futuro retratado por eles a raça humana teria sido dominada por esta raça de macacos. Assim eles são perseguidos e mortos, mas conseguem fazer sobreviver seu filho recém-nascido, César, escondido num circo.



O próximo filme é o mais crucial na história do surgimento deste planeta dominado por macacos. "A Conquista dos Planeta dos Macacos", de 1972 mostra como os macacos tomaram o poder, e depois do primeiro, pode ser considerado um dos melhores filmes da série. Num futuro não muito distante, uma epidemia mata todos os gatos e cachorros do mundo. Sem seus animais de estimação, o homem busca outros animais para substitui-los, e começam a adotar macacos como animais de estimação. Ao perceber no entanto como eles são inteligentes e aprendem rápido os truques que os ensinam, logo estes macacos começam a ser utilizados como escravos para fazer pequenos trabalhos como entregar mensagens, servir mesas e etc. Mas liderados pelo filho de Cornelius e Zira, o jovem César, eles planejam uma revolução e após uma guerra sangrenta tomam o poder. 


No último filme da série antiga, "Batalha do Planeta dos Macacos", de 1973, é mostrado o que acontece após este fato, e uma nova guerra é travada entre os humanos sobreviventes, que continuam a viver nos escombros de sua antiga civilização, (e que possivelmente darão origem no futuro àqueles seres humanos deformados pela radioatividade mostrados no segundo filme da série) e os macacos que constroem um novo lar em meio à floresta e iniciam uma nova civilização. Assim voltamos ao início da série quando macacos se tornam a raça dominante em nosso planeta, aprendendo a falar e raciocinar. Claro que há alguns problemas nesta teoria, já que a evolução não se dá de forma tão rápida, mas leva milhares de anos. Mesmo assim o mérito de imaginar tal situação já é suficiente. 


Em 2001 um novo filme foi feito, um remake do primeiro filme da série, dirigido por Tim Burtom e com Mark Walhberg no papel principal. Neste novo "Planeta dos Macacos", com mais ação e efeitos especiais, a história foi ligeiramente modificada, mas a essência é mantida, ou seja, um astronauta, aqui o Capitão Leo, que após se perder de sua nave cai em um planeta desconhecido dominado por uma raça de macacos. Aqui os seres humanos falam e são inteligentes, mas são totalmente subjugados pelos macacos e assim considerados inferiores. No final, a descoberta de nosso herói se dá de forma diferente, e aqui há um enigma no final do filme. Quando sua nave está para cair no Planeta dos Macacos, o mostrador da nave mostra que os anos estão indo para a frente, ou seja, que ele está viajando para o futuro. Ao escapar deste planeta, o mostrador da nave mostra ele retrocedendo no tempo e entrando na Terra, ou seja, ele teria voltado ao passado. Mas ao chegar na Terra, ele descobre que ela também está dominada por macacos, só que numa civilização exatamente igual à nossa, com carros, roupas, TV, construções, etc.


Este final deixa muitas dúvidas no ar. Por exemplo, se o planeta dos macacos em que ele estava era a Terra (o que provavelmente não poderia ser verdade pois é mostrado no filme que este planeta tem várias "luas") porque ao voltar para a Terra próximo de nosso tempo atual ela está dominada por macacos; porque há uma estátua em homenagem ao general Thade na Terra do passado, macaco que ele havia combatido no planeta dos macacos no futuro. Uma das explicações para o filme apela para a teoria de universos paralelos, como se aquela Terra em que ele chega fosse uma realidade alternativa do planeta Terra. Mas o fato é que ninguém sabe ao certo, e talvez seja para ser assim mesmo, um insolúvel e perturbador enigma deixado por Tim Burtom.



No sétimo e mais recente filme dedicado série há uma tentativa de explicar como o planeta Terra teria se tornado o Planeta dos Macacos. Em "Planeta dos Macacos - A Origem", lançado em 2011, é mostrado como surge uma nova raça de macacos inteligentes e como eles iniciam sua conquista de nosso planeta. A explicação gira em torno de experiências genéticas. Um laboratório testa uma nova droga capaz de recuperar a atividade cerebral, que seria utilizada como a cura para o mal de Alzheimer. Testado em macacos, a droga vai além, e aumenta a capacidade de raciocínio e inteligência dos macacos, ao mesmo tempo em que se torna um vírus mortal aos seres humanos. Assim uma nova raça de macacos surge, liderados pelo macaco César, eles se rebelam contra o ser humano por mantê-los presos e fogem, causando terror e destruição por onde passam, numa alusão ao quarto filme da antiga série, "Conquista do Planeta dos Macacos"


Com certeza a série não termina aqui, já que este já mostrou ser um tema que atrai o ser humano, e que provavelmente terá mais filmes dedicados a ela. E isto é o que esperamos também, já que pra mim esta é uma das séries mais interessantes já feitas. Até agora nenhum filme superou a genialidade do primeiro filme de 68, que por si só levanta uma questão que não é levantada por nenhum dos outros: uma evolução natural dos macacos, como a que ocorreu com o ser humano. Visto sozinho, o filme é uma verdadeira aula de evolucionismo e explora as teorias de Darwin lançando hipóteses de outras possibilidades que poderiam ter ocorrido na longa linha evolutiva de nosso planeta. Por tudo isso Planeta dos Macacos é um filme único e inigualável e terá seu lugar guardado para sempre na linha evolutiva do cinema mundial. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...